Archive for Maio 2013

Por demais e mais



Chocolate Birthday Cake - Carol Engles

Completara metade de um século de vida. Pôs em revisão todo aquele tempo e tirou suas conclusões. Estudava demais, mas não tinha certeza sobre o que tanto sabia. Lia demais, mas não contara quantos livros foram concluídos. Escrevia demais, mas, sem nenhum livro publicado, apenas rascunhos abandonados. Amava demais, tanto que até o momento ainda não se satisfez com somente um companheiro. Viajava demais, mas não fazia listas de lugares conhecidos, pois tratava logo de desconhecê-los para ter que retornar algum dia. Concluía, finalmente, que não se sentia satisfeita com seus cinquentas anos. Queria viver mais. Tinha sonhos demais para realizar. A cada dia a mais que vivia, nasciam mais vontades a saciar. Seria pedir demais por mais cinquenta anos de vida? Não hesitou: curvou-se sobre o bolo, apagou as tantas velinhas e fez esse pedido.

Traumas


Male Nude Model - Henri Matisse

Ele passou a ter sérios problemas para ficar sozinho na sua própria casa depois daquele dia. Aquele traumático dia. Não, ele não podia revisar aquele dia mentalmente, pois seria capaz de invocar o caos universal dentro de si mesmo. A questão é que – para uma pessoa que adorava ficar sozinha – aquele seu complexo de repulsa à solidão estava o tirando do estado espiritual normal. Queria superar seu trauma. Voltar a sentir prazer na solidão... E conseguiu isso à medida que ia tentando fugir desta, buscando companhia de outros e descobrindo, com isso, a amargura das amizades superficiais, a falsidade dos parentes cansativos, a obsessão dos muitos templos religiosos, o vazio das ruas e festas urbanas. Esses dias, em que não esteve sozinho, o encheram de traumas. Eram verdades nuas e cruas. E, então, recordou do aconchego de sua própria casa. Dos dias em que fora feliz consigo mesmo, na companhia de um livro, um café, uma cama ou um filme. Redobrou suas forças e encarou as paredes vazias da sua residência. Voltou a frequentar a sua própria solidão. Fugindo dos traumas da sociedade, curou seu próprio trauma.

Lembranças do verão


Migração de pássaros - Johannes Larsen

Uma visão. De longe, ela permanecia de olhos fechados vislumbrando um horizonte que só ela tinha acesso. Nos tímpanos retumbava o barulho bravo do mar. Ficava quieta lembrando aquele perfil enfrentar as ondas. De tão concentrada que estava, conseguia degustar o sal da água que invadia a boca dele, mergulho após mergulho. De longe, ele – seu amante – desfrutava o prazer da maré enchendo, revolta na praia da Barra Grande. Aquela cena ficaria para sempre cravada na memória da observadora. Recortes de momentos simples, naturais e de puro deleite.  O fortalecimento de um sentimento sem nome, sem data e sem pressa.

Evilanne Brandão de Morais. Tecnologia do Blogger.